Home / Policial / Suspeito de matar terceirizado da Energisa teria ameaçado funcionários de morte e adulterado medidor, aponta investigação

Suspeito de matar terceirizado da Energisa teria ameaçado funcionários de morte e adulterado medidor, aponta investigação


PORTO VELHO – Em interrogatório na Delegacia de Homicídios, na manhã deste sábado, 1, o homicida Evandilson Veloso de Oliveira, que confessou ter assassinado a tiros o eletricista Gerson Francisco Nunes, de 46 anos, disse que matou o terceirizado da Energisa porquê estava sendo extorquido por funcionários à serviço da concessionária de energia. Ele também afirmou aos policiais que teria recebido uma multa de R$ 10 mil recentemente, e desde então, estaria sendo extorquido para não receber outras penalidades.
O Expressaorondônia teve acesso à detalhes da investigação que apontam que Evandilson já teria ameaçado de morte outros funcionários terceirizados. “Fomos ao local e o consumidor não permitiu a substituição do medidor. Chutou os cones, as ferramentas e ainda disse: ‘vocês só vão parar de fazer esse tipo de retirada de medidor, quando um de vocês morrerem. Aí, os grandões da Energisa vão começar a trabalhar direito’.
A partir dessa declaração foi registrado boletim de ocorrência e, no dia seguinte, a equipe retornou ao local acompanhada de perito policial, que constatou que o medidor estava adulterado”, disse uma fonte ligada ao caso, que pediu para não ter a identidade revelada, por motivos óbvios.
Ainda segundo as informações apuradas pela reportagem do Expressaorondonia, a vítima não estava neste primeiro momento, pois eram equipes diferentes. No dia 11 de dezembro do ano passado, foi feito à Polícia Civil um Termo de Ocorrência de Irregularidade (TOI) envolvendo uma suposta adulteração do medidor do assassino confesso Evandilson Veloso de Oliveira. Na mesma oportunidade, foi colocado um desvio no padrão e feita a blindagem do medidor, para evitar futuras fraudes.
Pouco mais de um mês depois, de acordo com os dados repassados a que o Expressaorondônia teve acesso – já no dia 14 de janeiro -, uma equipe de inspeção da Rondonorte identificou que o medidor da padaria de Evandilson estava com o display de leitura queimado. Foi emitido um novo TOI e o medidor foi novamente trocado. “Desta vez, não temos nenhum relato de conflito nesse dia”, afirmou a fonte.
No dia 22 de janeiro, a Delegacia de Defraudações, comandada pelo delegado Swami Otto, pediu informações para abrir um inquérito policial para investigar Evandilson. Os funcionários da Rondonorte monitoraram a padaria, e dias depois, foi identificado que o medidor que tinha sido trocado pouco tempo antes, estava novamente com problemas, ficando “apagado”.
Texto: da redação Expressaorondonia.com.br

Facebook Comments