Home / Politica / Projeto Lei que libera porte de arma a agentes socioeducadores segue para votação

Projeto Lei que libera porte de arma a agentes socioeducadores segue para votação

Na manhã desta terça-feira (6) a Comissão de Constituição, Justiça e de Redação (CCJR), presidida pelo deputado Adelino Follador (DEM) debateu com convidados o tema do Projeto de Lei 1.094/18 de autoria do deputado Anderson do Singeperon (Pros).

O Projeto de Lei dispõe sobre o porte de arma de fogo pelo Agente de Segurança Socioeducativo de que tratam as Leis Complementares nº 728, de 27 de setembro de 2013 e a n° 965, de 20 de dezembro de 2017, e aguardava parecer do relator, deputado Léo Moraes (Podemos) para entrar na ordem do dia, ir a votação, e, assim, resolver um anseio da categoria.

Foram convidadas autoridades do Estado para o debate do tema. Participaram o defensor público Guilherme Ornellas; presidente da Fundação Estadual de Atendimento Socioeducativo (Fease), Sirlene Bastos; a presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Estado de Rondônia (Singeperon), Daihane Regina Lopes Gomes, além de Adilson de Oliveira Silva e Ana Duarte, membros do Mecanismo Estadual de Prevenção e Combate a Tortura.

Presidido pelo deputado Adelino Follador, os deputados Anderson do Singeperon, Jesuíno Boabaid (PMN), Rosangela Donadon (PDT) e o relator da matéria, Léo Moraes (Podemos) argumentaram sobre a importância do tema.

O deputado Anderson resumiu o projeto pedindo a Comissão a aprovação de posse de arma de fogo fora do serviço, para a preservação da integridade da classe. A presidente do Sigeperon, Daihane Regina Lopes Gomes, disse que o tema que gera polêmica pela alegação de afetar o Estatuto da Criança e do Adolescente, tem que ser debatido mediante o risco iminente dos agentes, pelo fato de menores infratores terem ligações com facções criminosas.

“Eles são ameaçados a cada plantão”, disse. “Se forem pegos fora do serviço a Lei está ao lado do infrator e não se busca o uso de arma dentro da unidade socioeducativa e sim fora dela, pois todo dia tem ameaça”, destacou Daihane completando, que ameaças como “vou te pegar, sei onde você mora”, são constantes e alerta que se isso acontecer o Estado não tem como amparar.

O defensor público, Guilherme Ornellas, disse que a questão é polêmica e a discussão da matéria deve ser de âmbito federal a partir 2019. “Não existe hoje um impedimento para a legislação estadual e é importante a mobilização da sociedade civil organizada, para que seja traçado um caminho a ser seguido”, ponderou o defensor.

Sirlene Bastos da Fease foi objetiva e afirmou que a fundação não tem como dizer sim ou não, tem que cumprir a lei. “É necessário que haja uma audiência pública com mais entidades”, argumentou.

O deputado Jesuino Boabaid foi favorável ao projeto. “Toda garantia é a Carta maior do Estado brasileiro”, afirmou. “Pontos divergentes sem consolidação perante o Supremo Tribunal Federal, não podem gerar riscos para o cidadão que lida com menor e sofre com a lei vigente”, concluiu.

O relator deputado Léo Moraes, demonstrou preocupação com a fragilidade que fica exposta a segurança e a integridade do servidor, aliada a autoestima reduzida por parte dos mesmos, o que foi preponderante para dar parecer favorável ao projeto de lei.

Votado o relatório do projeto com parecer favorável do relator foi aprovado, pois entendeu que há simetria nas atividades profissionais tanto dos agentes penitenciários como dos socioeducadores.

Facebook Comments

Comentar

Seu endereço de email não será publicado.Campos marcados são obrigatórios *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>