Fracasso do Aliança deixa Marcos Rocha sem partido faltando um ano para a eleição

Foto: Divulgação

Agora é esperar qual partido rondoniense irá abraçar o Coronel

Com o fracasso da criação do partido Aliança pelo Brasil em tempo hábil para se prontificar a entrar na disputa eleitoral em 2022, o governador de Rondônia, Marcos Rocha (SEM PARTIDO) segue sem estar filiado em qualquer legenda politica faltando pouco mais de um ano para eleição que validará o seu primeiro mandato.

Anunciado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (SEM PARTIDO) no dia 12 de novembro de 2019, a criação do Aliança pelo Brasil foi cercada de expectativas. Marcos Rocha não titubeou, sai do PSL e assinou sua inclusão à nova legenda.

Na época, a expectativa era de que até março de 2020 a legenda já teria sido criada e contaria com, além do presidente, com mais de 35 deputados federais na Câmara, além de governadores, senadores, deputados estaduais, prefeito e vereadores.

Porém a realidade é que a criação do partido não engrenou e com a pandemia veio mais dificuldades ainda. A pouca adesão da população e a burocracia na criação de um partido deixou o chefe de Rondônia sem qualquer base ou identificação partidária.

Com a eleição se aproximando, Rocha se vê com sua base composta basicamente por sua equipe governamental. Sem o Aliança, o último recurso do governador de Rondônia será realizar a prática de usar um ‘partido de aluguel’.

Essa prática é quando um politico que possui certo poder pega para si uma legenda pequena apenas no intuito de usá-la no período eleitoral, sem ideologias, apenas acertos e compromissos diretos.

Sem o PSL, Marcos Rocha perde tempo em TV e recursos do fundo partidário eleitoral, agora é esperar qual partido rondoniense irá abraçar o Coronel ou será abraçado por ele. A data limite estipulada pela Legislação Eleitoral para que o governador de Rondônia é de seis meses antes da eleição.

Via Rondoniaovivo

Postar um comentário

0 Comentários