Governo de Rondônia alinha estratégias para combater surtos de doenças tropicais



O Governo de Rondônia por meio da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) já está alinhando estratégias para enfrentar situações parecidas como as que estão ocorrendo em alguns estados vizinhos de Rondônia. Os casos de surtos de doenças como dengue, malária, febre amarela, leptospirose entre outras doenças tropicais foram discutidas essa semana, durante a reunião do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass).

A pauta em questão preocupa as autoridades nacionais e estaduais, devido ao agravamento do cenário de pandemia no país. O secretário da Saúde, Fernando Máximo, explicou que as orientações do conselho estão voltadas ao fortalecimento da rede de enfrentamento à Covid-19.

“Estamos nos antecipando para enfrentar as doenças tropicais, o que muito nos preocupa, pois temos vistos um grande aumento de casos de Covid-19 em outras regiões”, alertou o secretário de saúde.

Além do coronavírus, estados da região Norte como o Amazonas e Acre estão sofrendo com enchentes, crise migratória, alagações e o surgimento de surtos de doenças tropicais, o que segundo Caio Nemeth, estrategista de dados, pode ser em breve uma realidade também no Estado de Rondônia e por isso requer esforços redobrados nos cuidados de enfrentamento à Covid-19. “Nesse momento, todos nós precisamos ficar atentos e redobrar os cuidados. Estamos analisando a curva dos casos de Covid-19 em outros estados do país, e observamos que a maioria dos estados estão registrando aumentos de casos de Covid-19. O cuidado deve ser redobrado, principalmente em regiões que estão enfrentando surtos de doenças tipicamente tropicais, uma vez que alguns sintomas são semelhantes e o tratamento inadequado pode agravar a situação”, explicou.

Outro dado importante a ser destacado segundo ele, é a relação do consumo de bebidas alcoólicas com o aumento de internações por Covid-19 nos estados, tema este abordado pela consultora nacional da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), Ho Yet Li. “Conforme foi bem esclarecido pela doutora, o aumento de acidentes de trânsito causados pelo uso de bebidas alcoólicas sobrecarrega a rede de atendimento, devido a necessidade de leitos de UTIs para as vítimas de acidentes. Dessa forma, sentimos o impacto no atendimento de pacientes com Covid-19”, ressaltou, Caio Nemeth.Fernando Máximo enfatizou que a taxa de ocupação de leitos de UTI em Rondônia é de 100%, e que, sem o apoio da população o trabalho de salvar vidas se torna quase impossível. “As doenças tropicais sempre surgem neste período, mas desta vez, o cenário é ainda mais preocupante pelo fato de estarmos lidando com uma pandemia que trouxe várias surpresas, como o surgimento de novas variantes, casos de reinfecção entre outros agravos. Se cada um não fizer a sua parte, o número de mortes será ainda maior”, finalizou Fernando Máximo.

Postar um comentário

0 Comentários